sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Artista: Mikis Theodorakis (Μίκης Θεοδωράκης); Álbum: The Day The Fish Came Out


Artista: Mikis Theodorakis (ou Μίκης Θεοδωράκης)
Álbum: The Day The Fish Came Out
Ano: 1967
Gênero: Neoclássico; Música Grega

Trilha sonora de filme hoje em dia é um negócio complicado. Ou são músicas já conhecidas do público executadas por artistas já conhecidos (como na maioria das comédias, filmes de animação e ação) ou são tão semelhantes entre si que não se tornam muito marcantes (claro que isso é pessoal, mas é o caso dos filmes épicos de guerra, que parecem trazer sempre a mesma trilha sonora). São raros os filmes que têm uma trilha realmente interessante.

Entretanto, houve um tempo em que as trilhas sonoras eram obras à parte, interessantíssimas e tão marcantes que é impossível não recordar. Compositores geniais, como os italianos Ennio Morricone (que fez, entre muitas outras, a trilha sonora do espetacular The Good, The Bad and The Ugly, traduzido no Brasil como Três Homens Em Conflito) e Nino Rota (que, entre muitas outras, escreveu as músicas dos dois primeiros filmes da trilogia do Poderoso Chefão), o americano Henry Mancini (que compôs a trilha da Pantera Cor-De-Rosa, Charade e muitas outras), enfim - a lista não acaba: John Willians (E.T, Tubarão, Superman, Star Wars), Jerry Goldsmith (A Profecia, Alien), entre muitos outros. E o cara que eu vou resenhar aqui é grego e se chama Mikis Theodorakis (ou Μίκης Θεοδωράκης, no alfabeto grego).

Theodorakis nasceu na ilha grega de Chios em 1925 e desde cedo se interessou por música. Autodidata, começou a compor mesmo antes de dominar qualquer instrumento. Conseguiu montar um coral e apresentar seu primeiro concerto aos 17 anos de idade. Porém, logo o jovem Mikis sofreu nas mãos dos militares. Na Segunda Guerra Mundial, foi capturado enquanto participava da resistência à ocupação estrangeira (a Grécia foi ocupada pela Itália e posteriormente pela Alemanha) e severamente torturado.

Depois, durante a Guerra Civil Grega (um conflito entre os comunistas e anticomunistas que resultou na vitória dos anticomunistas, diga-se de passagem), Theodorakis estudou no Conservatório de Paris e conquistou o respeito e a admiração internacional por suas primeiras obras sinfônicas.

De volta à Grécia nos anos 60, Mikis começou a compor baseado na tradicional música grega e revolucionou a cultura de seu país, fazendo diversas miscigenações e resgatando temas de obras clássicas. Fundou um partido e se tornou membro do parlamento grego em 1964. Foi nesse período que Theodorakis compôs talvez a sua trilha mais famosa: Zorba, o Grego. Veja, abaixo, um dos momentos mais marcantes do filme (repare, claro, na trilha sensacional):


A liberdade não durou muito. Em 1967, uma junta facista tomou o poder na Grécia, além de banir sua música, baniu Theodorakis e sua família para a colônia de Zatourna, uma minúscula comunidade na região do Peloponeso. É nesse período que foi composta a trilha sonora que irei resenhar agora: The Day The Fish Came Out. Mas antes vou terminar de contar a história do compositor até o momento, visto que ele é vivo e está bem com seus 84 anos.

Em 1970, uma liga internacional conseguiu derrubar o governo facista grego e a sentença de Mikis foi amenizada para exílio. Com isso, ele pôde realizar concertos internacionais e divulgar sua luta contra a repressão dos militares gregos, que ainda dominavam o país; se tornou um símbolo de luta contra a ditadura. A perda da ilha de Chipre para os turcos em 1974 fez com que o governo militar se enfraquecesse e entrasse em colapso. Mikis pôde, então, retornar à Grécia e vive lá até hoje. É uma das figuras mais influentes do país e é considerado seu mais importante compositor vivo.

Mas voltemos ao The Day The Fish Came Out. Não sei dizer ao certo como entrei em contato com essa trilha sonora, visto que eu nunca assisti o filme (até tentei, mas não encontrei) e este não é considerado um dos grandes trabalhos de Mikis Theodorakis. Mas sei que já escutei várias vezes nos últimos anos, e cada vez mais me apaixono por essa obra.

A sinopse do filme segundo o site IMDb (Internet Movie Database) é a seguinte (traduzindo mais ou menos):

"Uma história cuidadosa. Um avião carregando uma arma mais perigosa que uma arma nuclear cai em uma ilha espanhola perto da Grécia. Para evitar o pânico, os oficiais vão à ilha vestidos de turistas (aliás, tão casualmente que os pilotos deduzem que eles sejam todos gays). Os pilotos não podem se deixar descobrir e não podem chamar a equipe de resgate. A necessidade de discreção causa uma comédia de erros envolvendo a desolada ilha, que decide que os turistas que ali chegaram precisam fazer toda a programação de turista."

Não parece ser um filme particularmente genial - a pontuação dele no mesmo site da sinopse é de 5.3 de 10 e várias pessoas assistiram e não gostaram. Parece que o escritor e diretor Mihalis Kakogiannis (ou Μιχάλης Κακογιάννης em grego) não conseguiu repetir o sucesso que teve ao dirigir a adaptação do livro Βίος και Πολιτεία του Αλέξη Ζορμπά, "A Vida e as Aventuras de Alexis Zorba" - mais conhecido como Zorba, o Grego. Mas a trilha sonora é realmente marcante.

Vale lembrar que, geralmente, uma trilha sonora traz alguns temas principais e diversas variações sobre esses temas (ora mais rápido e agressivo, ora mais lento, etc). E no caso de The Day The Fish Came Out, o tema principal se chama The Jet:



A sobreposição da melodia por ela mesma é sensacional, e vai crescendo ao ponto de parecer que algo muito grande está para acontecer. E quando parece que tudo vai acabar mal escutamos a belíssima The Greeks Take Over, com seus bouzoukis (um instrumento de corda típico da Grécia) junto ao teclado de fundo.

The Boys From The West é outra melodia recorrente na trilha sonora. Uma melodia onírica tocada em diversos instrumentos: bouzouki, o que parece ser um clarinete, acordeon, enfim - variações sobre um belíssimo tema.

Computers and Bouzoukis começa com uma melodia tocada no bouzouki e na flauta e, no final, faz uma referência à música anterior em uma bela transição - característica, como já disse, recorrente em trilhas sonoras.

West Meets East traz variações frenéticas sobre o tema de The Greeks Take Over e Sex On The Rocks é uma The Jet mais pesada e tensa, com os teclados saturados e uma introdução tensa com uma leve referência a The Boys From The West.

Karos Island Gets a Facelift é uma variação mais lenta de The Greeks Take Over, muito bonita por sinal. Stand By For The Tourist Boom é um interlúdio com uma introdução longa (suponho que no filme seja um momento tenso) misturada à introdução de Sex On The Rocks, que aqui funciona como o encerramento.

E então somos supreendidos pela faixa mais "outsider" do disco, a interessantíssima (para dizer o mínimo) The Next Time It's Unlikely To Be Spain. Um flamenco cantado a duas vozes femininas, acompanhado por orquestra e castanholas. O final, acapella, com as moças cantando "But one thing is absolutely plain, plain: the next time it's unlikely to be Spain! Ole!" seguido por um estouro de aplausos de um público fictício, é sensacional.

A partir daí, o disco volta às variações dos temas: The Day The Fish Came Out traz um clima meio sci-fi juntamente com uma variação de The Boys From The West; Let's Dance The Jet traz o tema principal com uma bateria mais reta e constante; Karos Has Strange Dreams é uma versão mais lenta de The Greeks Take Over; Looking For The Bomb parece uma versão alienígena de The Boys From...

A variação mais interessante, entretanto, é The Jet Rock. Com um riff de base que lembra um pouco a música Ring Ring, do primeiro álbum do ABBA, o tema principal é repetido no trompete de maneira quase irreconhecível. É impressionante o quanto Theodorakis consegue variar sobre o mesmo tema.

Karos 1972 A.D. traz novamente um clima de mistério e funciona quase como um prelúdio (pelo menos no álbum) para a faixa de encerramento, The Sonic Boom, uma versão um pouco diferente de The Jet, mas não menos épica.

É muito difícil expressar as variações deste disco em palavras. É um ótimo disco e consegue não cair na monotonia mesmo com a recorrência dos temas. Se você não tem o costume de escutar trilhas sonoras de filmes, procure os compositores citados neste post. Certamente são boas referências!

Tracklist:
1. The Jet
2. The Greeks Take Over
3. The Boys From The West
4. Computers and Bouzoukis
5. West Meets East
6. Sex on the Rocks
7. Karos Island Gets a Facelift
8. Stand by for the Tourist Boom
9. The Next Time It's Unlikely To Be Spain
10. The Day The Fish Came Out
11. Let's Dance The Jet
12. Karos Has Strange Dreams
13. Looking For The Bomb
14. The Jet Rock
15. Karos 1972 AD
16. The Sonic Boom
Postar um comentário