sábado, 27 de janeiro de 2007

Banda: Taraf de Haïdouks; Álbum: Honourable Brigands, Magic Horses and Evil Eye


Artista: Taraf de Haïdouks
Álbum: Honourable Brigands, Magic Horses and Evil Eye
Ano: 1994
Gênero: Música Cigana

Pois é, após um longo hiato, estamos de volta!

A banda abordada neste post tem 12 integrantes, cujas idades abrangem cerca de três diferentes gerações (as idades variam entre 20 e 80 anos). Os instrumentos variam entre violinos, baixo, tambal (uma mistura de xilofone com harpa, muito interessante) e vocais da mais tradicional música cigana - este é o Taraf de Haïdouks (ou Taraful Haiducilor, como são conhecidos em sua terra natal, a Romênia).

A banda começou em 1989, logo após a execução do ditador Nicolae Ceauşescu (que governou a Romênia por 22 anos), vindo a ser "descoberta" (divulgada, melhor dizendo) por um produtor belga que foi à Romênia e se encantou com a música do Taraf de Haïdouks. O primeiro álbum, Musique des Tziganes de Roumanie, foi lançado em 1991 e foi muito bem recebido por crítica e público, mas seria o segundo álbum (este, do review) que viria a consagrar este grupo romeno dentro do cenário da world music.

Honourable Brigands, Magic Horses and Evil Eye foi gravado em 1994 e foi eleito, em 1995, o melhor disco de World Music do ano por uma associação de críticos musicais alemães -mas é claro que não é música totalmente acessível a quem se limita a escutar os hits radiofônicos. A harmonia da música cigana pode soar um pouco estranha, pois não se utiliza das mesmas escalas musicais usadas na música ocidental (nota: os ciganos - ou roma, como eles mesmos se denominam - teriam migrado da Índia à Europa há cerca de mil anos, portanto não é muito adequado chamar a música deles de ocidental). Além disso, não há toda a produção que existe nos álbuns das grandes bandas de rock e pop - é tudo gravado ali, na raça, todos juntos - o que errar, errou e sai no disco, porque isso traz todo o clima, naturalidade e diversão com que esses rapazes, homens e senhores fazem música. Em uma música do disco Dumbala Dumba, de 1998, ouve-se claramente uma tosse - ora, se essa tosse aconteceu, porque tirá-la da música? Essa é a filosofia do Taraf de Haïdouks.

Não sou um grande conhecedor de música cigana/romena, mas este álbum traz uma enorme variedade de ritmos, tornando-o heterogêneo e homogêneo ao mesmo tempo - são diversas variações de um mesmo universo. Em Cind Eram La '48, por exemplo, temos uma música extremamente rapida com uma letra ora cantada, ora falada. Já em Cîntec de Dragoste Si Joc temos um ritmo muito mais cadenciado, dançante, tipicamente cigano, com vocais estridentes e muito bem executados.

Recomendadíssimo.

Tracklist:
1. Spune, Spune, Moș Bătrîn...
2. Hora Din Caval
3. Azi Eram Frumoasă, Jună...
4. Țigănească
5. Cînd Eram La '48
6. Geamparale
7. Cîntec De Dragoste Și Joc
8. Doina Și Cîntec
9. Jalea Țiganilor
10. Turcească
11. Balada Lui Corbea
12. Sîrba
13. De Ma Deie But Te Pau
14. Brîu
15. Duba, Duba... Și Hora
16. Leliță Cîrciumăreasă
Postar um comentário