quarta-feira, 7 de julho de 2010

Banda: Loituma; Álbum: Things Of Beauty




Banda: Loituma

Álbum: Things Of Beauty
Ano: 1997
Gênero: Folk Finlandês

Se você navega na internet e tem acesso a vídeos e animações, muito provavelmente, alguma vez, em algum lugar, já trombou com isso:



Por algum motivo, este vídeo (originalmente uma animação em flash disponível neste site) fez um sucesso absurdo na internet no ano de 2006. Essa combinação de uma personagem de anime (Orihime Inoue, do desenho Bleach) girando um aipo ao som de uma canção alegre com uma letra indecifrável foi vista por milhões de internautas ao redor do mundo, e gerou muitos e muitos vídeos de paródias e referências, como todo fenômeno da internet. E também fez o mundo se perguntar "de onde veio essa música?".

Quem deu uma pesquisadinha chegou em um quarteto finlandês chamado Loituma.


O vídeo, conhecido como Leekspin ou até Loituma Girl alavancou a popularidade da banda ao redor do mundo. Mas, como todo fenômeno de internet, o sucesso instantâneo desaparece tão rapidamente quanto surge, e pouca gente conhece a obra do Loituma além da música do vídeo, um trecho em looping da música Ievan Polkka.


Mas eu fui atrás e cheguei no primeiro álbum da banda: Things Of Beauty, de 1998 (lançado como Loituma em 1995, na Finlândia). Mas antes, como é de costume, vamos falar um pouco sobre a banda.


Originalmente, em 1989, o Loituma era um sexteto chamado Jäykää Leipä (que significa "pão duro", em sentido literal) nascido no departamento de música folk do conservatório Sibelius-Akatemia, em Helsinki, capital da Finlândia. O sexteto era formado por Sari Kauranen, Anita Lehtola-Tollin, Timo Väänänen, Hanni-Mari Autere, Sanna Kurki-Suonio e Tellu Paulasto. Porém, Kurki-Suonio e Paulasto deixaram a banda, que mudou seu nome para Loituma e virou um quarteto.


As músicas do Loituma, quando não são compostas por eles próprios, são versões totalmente arranjadas por eles de músicas tradicionais do folclore finlandês. Porém, muitos dos arranjos fogem daquilo que é considerado na Finlândia como música tradicional, apesar do instrumento chave da banda ser mais do que arcaico: o kantele.



Esse instrumento, uma mistura de harpa com aquelas "cítaras" que alguns ambulantes brasileiros vendiam há alguns anos (uma versão muito simplificada de um instrumento chamado zither) é a base da música do Loituma. Todos os membros tocam ele ou uma variação, e muitas das músicas contam apenas com ele além das vozes.

A música de abertura é Eriskummainen Kantele (O Kantele Caprichoso) e dá uma idéia do que vem pela frente, apesar de ser incrivelmente simples musicalmente. Uma melodia simples e medievalesca em um crescendo, inicialmente vocalizada e posteriormente adquirindo corpo com letra e harmonias.

A onírica Kultaansa Ikävöivä (Lá Está Minha Amante) é uma composição de Timo Väänänen. É tão pacífica (pelo menos a melodia unitonal - fico devendo sobre a letra) que lembra um mantra e poderia facilmente estar, musicalmente falando, no álbum Chant And Be Happy, produzido por George Harrison e já resenhado aqui. Um belíssimo momento do disco.

Viimesen Kerran (A Última Vez) é uma bela demonstração da beleza das vozes femininas do Loituma. Uma faixa quase acapella e repleta de harmonias bonitas que só não se destaca mais por ser acompanhada daquela que, na minha opinião, é a mais bonita do disco.

Minuet and Polska (Minueto e Polca) tem mais de sete minutos e é, na verdade, duas músicas em uma. Após uma longa introdução no kantele, duas vozes entram em uma belíssima vocalização que se entrelaça impecavelmente durante o restante da música, sem letra alguma. Inesperadamente, o tom melancólico e triste da música vira uma polca (como o próprio nome anuncia) e as mesmas duas vozes seguem mostrando beleza e desenvoltura. Facilmente uma das melhores faixas do álbum.

Kun Mun Kultani Tulisi (Sentindo Falta Dele) é uma faixa triste (como o nome sugere, novamente) porém belíssima. Tudo o que faz do Loituma uma banda notável está aqui: a impecável execução do kantele, as harmonias vocais, o tom medieval.

Após a belíssima instrumental Valamon Kirkonkellot (Os Sinos do Monastério de Valamo) temos uma surpresa interessante com Ai Ai Taas Sattuu (Ai Ai, Dói Novamente). Uma canção quase infantil muito bem arranjada pelo Loituma. Pareceria uma cantiga de roda se não fossem as harmonias vocais que se desenrolam a partir das vozes em uníssono. Bela música.

Após o clima infantil somos surpreendidos com a tensíssima Suo (O Pântano). Música com clima pesado e muito carregado. Poderia facilmente ser trilha sonora de algum filme de suspense. Outra ótima canção.

Kolme Kaunista (Três Coisas da Beleza) é alegre e tem um tom quase épico. É mais uma composta por um membro do Loituma, desta vez por Sari Kauranen. O começo engana e  sugere uma canção minimalista, mas o acréscimo de novas vozes dá um tom grandioso à canção.

E eis que chega a já comentada Ievan Polkka (A Polca de Ieva). A única canção totalmente acapella do álbum, conta com os quatro membros cantando e vocalizando uma melodia animada e tradicional na Finlândia. A melodia animada de letra alegre é tão cativante que, como citado no início do post, até inspirou o criador do Leekspin a pegar a parte do meio - que não tem letra alguma, e sim improvisos vocais de Hanni-Mari Autere - e deixar em looping.

O que é tão especial em Ievan Polkka? Eu diria (minha opinião, que fique bem claro) que é o arranjo e a interpretação do Loituma. Ela ficou solta, alegre e cativante, e é muito difícil não se animar com essa polca tão feliz.

É um belo disco. Recomendadíssimo.


Tracklist:

1. Eriskummainen Kantele (O Kantele Caprichoso)
2. 
Kultaansa Ikävöivä (Lá Está Minha Amante)
3. 
Viimesen Kerran (A Última Vez)
4. 
Minuet and Polska (Minueto e Polca)
5. 
Kun Mun Kultani Tulisi (Sentindo Falta Dele)
6. 
Valamon Kirkonkellot (Os Sinos do Monastério de Valamo)
7. 
Ai Ai Taas Sattuu (Ai Ai, Dói Novamente)
8. 
Suo (O Pântano)
9. 
Kolme Kaunista (Três Coisas da Beleza)
10. 
Ievan Polkka (A Polca de Ieva)


Abaixo, como não poderia de ser, um vídeo do Loituma interpretando Ievan Polkka ao vivo:
Postar um comentário