quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Banda: Daft Punk; Álbum: Discovery


Banda: Daft Punk
Álbum: Discovery
Ano: 2001
Gênero: House

É engraçado como na maioria das vezes em que rompemos com algum preconceito, trazemos à tona novidades (pelo menos para nós) cativantes e enriquecedoras. É assim com tudo, e principalmente com a música.

Se eu mantivesse até hoje a minha visão e gosto sobre música que tinha aos 14 anos, este blog jamais existiria e, se eu um dia viesse a ter um blog, seria apenas sobre heavy metal e abordaria bandas como Iron Maiden e Metallica. Não que eu tenha deixado de gostar destas bandas - amo as duas - mas tenho a convicção de que conhecer o universo musical que entrei em contato nos anos pós-adolescência fez uma diferença imensa em minha vida, inclusive e principalmente na extra-musical.

Sempre torci o nariz para música eletrônica, e certamente muita gente ainda o faz. Como diz aquela música das Velhas Virgens, Geração Putz Putz, achava que o "DJ só aperta o play". Mas correr atrás de artistas de música eletrônica de diversos estilos diferentes, como Infected Mushroom, Björk, Massive Attack e Lovage, me fez ver que é um estilo que pode ser extremamente rico e bem trabalhado.

O Daft Punk é uma "faca de dois gumes" dentro do estilo, pois de vez em quando consegue algum destaque da mídia brasileira e outras vezes fica apenas no circuito do house. O maior sucesso já obtido pela banda foi justamente a faixa de abertura deste disco, a música One More Time. A faixa tocou à exaustão nas rádios e nas baladas brasileiras na época em que o disco foi lançado (2001) e seu clip conquistou as paradas da MTV Brasil.

A "banda", se é que pode ser chamada assim, teve seu embrião formado em 1992, na França, quando os dois componentes, Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem-Christo, formaram com Laurent Brancowitz a banda Darlin'. Após o fim da banda, os Bangalter e Homem-Christo começaram a fazer experimentações com sintetizadores e sequencers e formaram o Daft Punk. Passaram a tocar em raves e, em 1997, lançaram seu primeiro álbum entitulado Homework. Em 16 faixas, a dupla faz um som relativamente tradicional para o estilo, muito influenciado por techno, com músicas que poderiam ser executadas em qualquer rave.

Em 2001, porém, a banda lançou o disco abordado nesta resenha, e é justamente aquele que traz One More Time como faixa de abertura: Discovery. Os motivos pelos quais incluo o disco na categoria que dá título ao blog (sim, música estranha e boa) é puramente pessoal, já que meu conhecimento a respeito de música eletrônica é muito pequeno para afirmar se o disco é pioneiro ou revolucionário: o uso inteligentíssimo de samples, as referências musicais e a visão e criatividade intermináveis destes dois amigos franceses.

Pra quem não sabe, "sample" é um pedaço de uma música que é utilizada como um instrumento em outra. É muito utilizado, principalmente na música eletrônica e no hip-hop, mas a técnica data dos anos 60. Os próprios Beatles utilizaram alguns samples em músicas como I Am The Walrus e Revolution #9.

Discovery tem um clima muito peculiar devido ao número de samples decorrentes de músicas dos anos 70 e 80, dando ao disco um tom de reciclagem inteligente, de atualização de alguns estilos já datados (lembrando que ser datado não torna algo menor).

One More Time, por exemplo, é um house marcante e muito peculiar, trazendo loops que em quase nada remetem à música da qual foi sampleada: More Spell On You, do cantor Eddie Johns. No vídeo abaixo, um DJ ensina a "criar" One More Time a partir de More Spell On You:

A genialidade da dupla em pegar esta pequena porção de uma música e transformá-la em outra foi o que mais me chamou a atenção de início. É necessário um ouvido muito bom para perceber uma música em potencial dentro de outra, e é exatamente isso que o Daft Punk fez nessa música e em alguns outros momentos do disco.

A segunda faixa, Aerodynamic, é uma referência clara ao metal, com um extenso solo de guitarra em two hands, uma técnica largamente utilizada por guitarristas do gênero. A faixa seguinte é a bela e quase inocente Digital Love, sampleada da música I Love You More, de George Duke (que, como dito no post anterior, já tocou com Frank Zappa), trazendo uma letra sobre amor platônico e um solo de guitarra destruidor, cheio de elementos eletrônicos. Um dos pontos altos do disco, sem dúvida.

A música seguinte, Harder, Better, Faster, Stronger, é famosa por seu uso do talk box, um instrumento que permite modular o som do instrumento de maneira que pareça que ele literalmente "fale", dando um tom futurista e robótico ao som. A música contem um sample de Cola Bottle Baby, de Edwin Birdsong, e também foi sampleada pelo rapper Kanye West na música Stronger, que fez um sucesso razoável aqui no Brasil. Diversos vídeos trazendo "clips" caseiros feitos por fãs circulam na internet, e muitos deles se tornam grandes hits. É o caso do Daft Hands e do Daft Bodies, cujos vídeos tiveram mais de, respectivamente, 26 e 6 milhões de acessos no YouTube.

Crescendolls, Nightvision, Superheroes e High Life são passagens instrumentais (exceto por poucas linhas vocais em loop) trazendo diversas influências diferentes. Crescendolls e High Life são vibrantes e repetitivas, enquanto Nightvision é um filler melancólico e a ótima Superheroes remete às músicas de videogames do fim dos anos 80 e início dos 90.

Something About Us é uma belíssima canção de amor, com uma letra simples porém sincera. Trata-se de uma declaração de amor na hora da despedida, com versos muito significativos como "It might not be the right time/I might not be the right one/But there's something about us I want to say/Cause there's something between us anyway" (tradução: Esta pode não ser a hora certa/Eu posso não ser a pessoa certa/Mas há algo sobre nós que eu quero dizer/Pois há algo entre nós, afinal"). Muito tocante, principalmente no que diz respeito à parte instrumental.

Voyager traz uma linha de baixo marcante, formando uma mistura com o funk já perceptível em algumas faixas do álbum anterior, Homework. Veridis Quo, por sua vez, é uma faixa melancólica, lenta, marcada pela linha triste do teclado.

O clima do disco fica mais alegre com Short Circuit, que tem a bateria bem forte e chama a atenção pelos teclados bem marcados, pelas notas curtas que quase não têm tempo de fluir. É interessante a mudança que ocorre no meio da música, quando ela parece "entrar debaixo d'água" e ganha um clima viajante, como se estivesse derretendo ou entrando, como diz o nome, em curto circuito.

Face To Face é uma das melhores do disco. Aqui a dupla volta completamente ao house, trazendo um ritmo totalmente dançante e um vocal arrasador de Todd Edwards, um produtor de house relativamente conhecido no meio. A música foi um sucesso nos clubes da Inglaterra e Estados Unidos, chegando a atingir o topo da lista de música eletrônica da Billboard.

A última faixa é Too Long, que tem exatos 10 minutos de duração. Começando com harmonias vocais que remetem ao ano 60 (Too long... too long...), a música vai se construindo aos poucos, e quando parece ter atingido seu ápice se inicia uma "segunda parte", e tudo se constrói de um jeito diferente.

É um ótimo álbum, mas o interessante é que o Daft Punk não se deu por satisfeito e, um ano após o lançamento de Discovery, lançou um filme chamado Interstella 5555: The 5tory of the 5ecret 5olar 5ystem. O filme se trata de uma animação produzida em uma parceria do Daft Punk com o estúdio japonês de animação Toei Animation, sob a supervisão de Leiji Matsumoto, um dos pioneiros e principais criadores de animes.

Interstella conta a história de uma banda alienígena que é abduzida de seu planeta de origem por um homem, que muda a aparência deles para que pareçam humanos e apaga suas memórias para que produzam um hit aqui na Terra. A banda é composta por Octave (voz e teclados), Arpegius (guitarra), Stella (baixista) e Baryl (bateria). Um soldado do país de origem da banda, que fica conhecida por Crescendolls na Terra, vem até nosso planeta através de um buraco negro para resgatar os quatro músicos (principalmente Stella, seu grande amor platônico). O que acontece a partir daí vou deixar em aberto para que o leitor descubra vendo o filme.

O interessante é que o filme não traz um diálogo sequer, e o único som, além de uns poucos e esparsos efeitos sonoros, é o Discovery, totalmente sincronizado com a história. É como se o filme fosse um enorme videoclip para o álbum inteiro. Digital Love, por exemplo, é "cantada" pelo soldado enquanto ele fantasia como seria se ele e Stella fossem um casal de namorados; Crescendolls serve de pano de fundo para a ascensão da banda até o estrelato no planeta Terra. E por aí vai. Tudo isso em uma animação incrível, com uma seleção de cores e estilo inteligentíssimos.

Tanto o álbum quanto o filme são recomendadíssimos.

Tracklist:
1. One More Time
2. Aerodynamic
3. Digital Love
4. Harder, Better, Faster, Stronger
5. Crescendolls
6. Nightvision
7. Superheroes
8. High Life
9. Something About Us
10. Voyager
11. Veridis Quo
12. Short Circuit
13. Face to Face
14. Too Long

Abaixo, um vídeo de Harder, Better, Faster, Stronger tirado do filme Interstella 5555.
Postar um comentário